Falar sozinho não é loucura

Ajuda a pensar e controlar impulsos

Falar sozinho não é loucura
Se você fala a seu minino, você não está louco. Mas se ele te fala a ti, a coisa muda.

Existem palavras em português que não possam ser traduzidos para outro idioma?
Como é bom falar sozinho?
Você fala com o gato?
E l psiquiatra Luis Rojas Marcos expõe em Superar a adversidadque: “Falar com uma planta, com um gato ou um mesmo é um dos fatores que ajudam a superar uma situação de crise”. Falar consigo mesmo em voz alta também é útil para pensar melhor e tomar decisões. “Para muitas pessoas, é uma forma de reduzir a intensidade emocional, um desabafo. Será que estão mal da cabeça? Não acho, as vantagens são enormes”, afirma o especialista.
O Daltonismo linguístico?
Um estudo sugeriu que os índios zuni, que usam a mesma palavra para amarelo e laranja, têm mais dificuldade para se lembrar se um objeto é daquelas cores que um de língua inglesa. Mas esta idéia veio completamente para baixo em 1972, quando Eleanor Rosch, pesquisadora da Universidade da Califórnia em Berkeley, testó este princípio com o povo dani de Nova Guiné, onde só têm dois termos para cor: claro e escuro. Apesar disso, estes indígenas diferenciam e se lembram perfeitamente nuances de diferentes objetos, de forma tão eficaz como as pessoas que se expressam em inglês.Um estudo sugeriu que os índios zuni, que usam a mesma palavra para amarelo e laranja, têm mais dificuldade para se lembrar se um objeto é daquelas cores que um de língua inglesa. Mas esta idéia veio completamente para baixo em 1972, quando Eleanor Rosch, pesquisadora da Universidade da Califórnia em Berkeley, testó este princípio com o povo dani de Nova Guiné, onde só têm dois termos para cor: claro e escuro. Apesar disso, estes indígenas diferenciam e se lembram perfeitamente nuances de diferentes objetos, de forma tão eficaz como as pessoas que se expressam em inglês.
E as crianças…
Um estudo de Anthony James Ridgway, de Girne American University, expõe que as crianças desenvolvem a sua voz interior, à medida que crescem. Quando adquirem a linguagem, falam em voz alta, mesmo que estejam sozinhos. Quando se vão desenvolvendo, os diálogos ocorrem apenas dentro de sua cabeça.
– A voz interior é imprescindível para aprender a ler compreendendo o que está escrito.
– A experiência está relacionada com a não ter desenvolvido essa voz interior que lhe diz: “Não pular” ou “Não bater”. Quando a criança aprende a ouvir, se torna menos impulsivo.

About the Author